“O MATADOR”, PASTICHE DE FAROESTE – Parte 2: O PERSONAGEM QUATRO OLHOS – Lezir Ishigawa

Na tentativa de criar uma narrativa densa, o roteirista de O Matador (disponível na Netflix), Marcelo Galvão, que também dirige o filme, opta por uma grande quantidade de personagens, alguns só aparecendo quando a narrativa atinge seus dois terços de duração, como o falso tenente Sobral (Paulo Gorgulho) e seu principal antagonista, o escrevente da... Continuar Lendo →

“O MATADOR”, PASTICHE DE FAROESTE – Parte 1 – Lezir Ishigawa

No cinema comercial, cujo intento basilar, evidentemente, é auferir lucro, a perspectiva do enredo está voltada muito mais para o entretenimento do que para as grandes questões da filosofia e demais Humanidades. Fácil entender: o exercício do pensamento crítico é algo que pode ser incômodo às duas extremidades da interlocução, e o incômodo não é... Continuar Lendo →

O REENGENHO DE DENTRO – Lezir Ishigawa

Nise - o coração da loucura é uma produção cinematográfica de 2015 dirigida por Roberto Berliner que mostra a trajetória da psiquiatra brasileira Nise da Silveira (1905-1999), politicamente orientada à esquerda e que, em uma atmosfera masculina e reacionária (a medicina da mente nas décadas de 40 e 50 do século XX), conseguiu provocar uma... Continuar Lendo →

E O BARRO SE FEZ CARNE- Lezir Ishigawa

Valsa para Bruno Stein (2007), filme brasileiro inspirado em livro homônimo de Charles Kiefer e disponível na plataforma Prime Vídeo, funciona a partir de dois núcleos dramáticos essenciais, ambos situados no mesmo espaço, uma propriedade rural em algum interior do Brasil, onde existe uma pequena olaria. O primeiro núcleo é composto por membros da família... Continuar Lendo →

O HIATO DE “JONAS” – Lezir Ishigawa

Enquanto sobem os créditos finais, resta a impressão de que dos dois principais intertextos perceptíveis em Jonas (2015), a narrativa bíblica acerca do profeta supostamente engolido por uma baleia ou peixe grande e a peça teatral Orfeu da Conceição, poderia ter sido melhor aproveitada a carga simbólica do mito bíblico. Por isso, os créditos me... Continuar Lendo →

É MURIEL, É HUGO – Lezir Ishigawa

  “Acho que dificilmente um corpo está resolvido para todo o sempre” (Laerte) Uma das marcas mais visíveis do documentário Laerte-se (2017), disponível na plataforma Netflix, é a falta de certezas da cartunista Laerte Coutinho em relação a aspectos existenciais e de gênero. Num mundo tão peremptório quanto o nosso, é um comportamento que pode até... Continuar Lendo →

O GETÚLIO DE “GETÚLIO” – Lezir Ishigawa

Trago comigo uma percepção muito forte: a História parece ser, na verdade, construída a partir de roteiros já escritos há tempos e sempre atualizados com modificações aqui e ali. Assim, os personagens históricos podem não ter a originalidade que muitas vezes exibem aos seus contemporâneos; talvez sejam a variante mais recente de tal ou qual... Continuar Lendo →

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora