“BACURAU”: UM DIÁLOGO ENTRE O MODERNO E O ANTIGO – Lezir Ishigawa

É uma cidadezinha no meio do nada, com apenas uma “avenida” à lá western e poucas ruas laterais. Sua composição étnica é afrodescendente, sobretudo. Considerando que o falecimento de Carmelita (Lia de Itamaracá), uma negra muito idosa, nos faz saber que ela deu origem a uma quantidade incrível de bacuralenses (é assim que se diz?),... Continuar Lendo →

Anúncios

AS SÉRIES AMERICANAS E A CULTURA BRASILEIRA – Lezir Ishigawa

Os povos, antes de se estruturarem como país, organizam suas próprias narrativas, que espelham o espírito deles. Ou seja, primeiramente um povo existe enquanto narrativa, uma dimensão da existência que traz em si a subjetividade, para depois se submeter a uma constituição nacional, nomalmente resultado de um pacto entre as muitas camadas sociais, que vão... Continuar Lendo →

O DEFUNTO ERA MAIOR – Lezir Ishigawa

Por que vamos ao cinema ou assistimos a obras de ficção na TV, aberta ou fechada? Para nos entretermos, evidentemente, muitos dirão. No entanto, há uma fatia considerável de público que não compra ingressos ou sintoniza este ou aquele canal exclusivamente por deleitar-se, por exemplo, com os personagens da Marvel, se não houver na trama... Continuar Lendo →

TANTO FAZ VER QUANTO SABER QUE TEM – Lezir Ishigawa

O longa-metragem Bruna Surfistinha, produção brasileira de 2011 dirigida por Marcus Baldini, é a narrativa de uma personagem que precisa ser amada. Ela parece não ter muita consciência disso, mas em algumas passagens do filme, quando já vivendo dos programas sexuais, fica demonstrado que se Bruna (na verdade Raquel) decidiu sair de casa não foi... Continuar Lendo →

QUERÔ E O FANTASMA DE ALZIRA – Lezir Ishigawa

O cinéfilo que assiste ao filme Querô, longa-metragem de 2007 dirigido por Carlos Cortez, disponível no YouTube, imediatamente  o associa a Pixote, a lei do mais fraco. As similaridades são muitas, e até o protagonista, interpretado por Maxwell Nascimento é fisicamente parecido com o do filme dos anos oitenta, encarnado por Fernando Ramos da Silva.... Continuar Lendo →

O PAI INVENTADO – Lezir Ishigawa

O cheiro do ralo, longa-metragem brasileiro dirigido por Heitor Dhalia lançado em 2007, cujo roteiro foi construído a partir de livro homônimo de Lourenço Mutarelli, disponível no Youtube, a despeito de sua qualidade, apresenta uma narrativa que tende a incomodar certo público por dois motivos: é repetitiva e, por meios simbólicos, toca em um aspecto... Continuar Lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora